Grigory Sokolov

piano

  • A natureza única e irrepetível da música construída no momento é essencial para entender a beleza e a honestidade da arte de Sokolov. As suas interpretações são poéticas e singulares, resultado do profundo conhecimento das obras. Os recitais percorrem um repertório vasto desde transcrições da polifonia medieval, passando por obras para teclado de Byrd, Couperin, Rameau e Froberger, até à música de Bach, Beethoven, Schubert, Schumann, Chopin, Brahms e a compositores do século XX como Prokofieff, Ravel, Scriabin, Rachmaninoff, Schoenberg e Stravinski. É reconhecido entre os amantes do piano como um dos maiores pianistas da actualidade, um artista universalmente admirado pela sua visão, espontaneidade fascinante e entrega total à música.

    Grigory Sokolov nasceu a 18 de Abril de 1950, em São Petersburgo (Leninegrado). Começou a estudar piano aos cinco anos e, dois anos depois, iniciou os estudos com Liya Zelikhman no conservatório local. Teve aulas com Moisey Khalfin no Conservatório de Leninegrado e em 1962 deu o seu primeiro recital. O seu prodigioso talento foi reconhecido aos 16 anos, quando se tornou o mais jovem músico de sempre a receber a Medalha de Ouro no Concurso Tchaikovski de Moscovo. De seguida, Emil Gilels, o presidente do concurso, começou a apoiar a sua carreira. Enquanto se apresentava em grandes digressões nos Estados Unidos e no Japão nos anos 70, a sua arte foi amadurecendo. As gravações da era soviética adquiriram um estatuto quase mítico no Ocidente, evidenciando um artista singular formado na rica tradição pianística da escola russa. Depois do colapso da União Soviética, começou a apresentar-se nos principais festivais e salas de concerto da Europa.

    Sokolov apresentou­-se como concertista ao lado das orquestras mais prestigiadas do mundo, antes de passar a dedicar­-se exclusivamente aos recitais a solo. Faz cerca de 70 recitais por temporada, mergulhando por inteiro num programa único que apresenta em grandes digressões europeias.

    Ao contrário de muitos pianistas, Sokolov interessa­-se verdadeiramente pelo mecanismo dos instrumentos em que toca. Passa horas a explorar as suas características físicas e a colaborar com técnicos para atingir os seus requisitos. “São necessárias horas para entender o piano, porque cada um tem a sua personalidade e tocamos juntos”, explica. Poupado na utilização do pedal de sustentação, evoca todos os elementos desde as mais subtis gradações tonais e de textura até aos mais ousados contrastes de som através do brilho e clareza da sua técnica pianística. Os críticos apontam frequentemente a sua capacidade de articular vozes individuais em complexas texturas polifónicas e de lançar linhas melódicas com perfeita continuidade.

    O carisma da arte de Sokolov permite­-lhe captar a atenção necessária do público para contemplar até a composição mais familiar sob novas perspectivas. Promove uma relação de proximidade entre o público e a música, transcendendo as exibições superficiais para revelar o profundo sentido espiritual da música. A arte de Sokolov reside nas bases sólidas da sua personalidade e na sua visão singular.

    Sokolov assinou um contrato de exclusividade com a Deutsche Grammophon, que lançou o primeiro álbum desta parceria em Janeiro de 2015 – um recital memorável gravado ao vivo no Festival de Salzburgo de 2008. O disco duplo reflecte a amplitude e a profundidade do seu repertório, compreendendo duas sonatas de Mozart, os 24 Prelúdios op. 28 de Chopin e encores de J. S. Bach, Chopin, Rameau e Scriabin. Em 2016, seguiu­-se um disco com obras de Schubert (Quatro Impromptus, D. 899 e Três peças para piano, D. 946), Beethoven (Sonata “Hammerklavier”) e encores de Rameau e Brahms, gravadas ao vivo na Philharmonie de Varsóvia e no Festival de Salzburgo, em 2013. O terceiro álbum para a mesma etiqueta inclui o Concerto para piano em Lá maior K. 488 de Mozart e o Concerto para piano n.º 3 de Rachmaninoff, gravados no Festival de Salzburgo (2005) e nos BBC Proms (1995), respectivamente. Estas e outras gravações históricas vão ser reunidas no DVD A Conversation That Never Was, um documentário de Nadia Zhdanova que revela um retrato de Sokolov baseado em entrevistas com amigos e colegas do pianista, às quais se juntam imagens inéditas de arquivos privados.

     


    2017/18

  • Obras relacionadas

      • Ordernar por

    • more
x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE