António Zambujo

voz, guitarra clássica

  • Quinto, editado pela Universal em Abril, é precisamente o quinto disco da carreira de António Zambujo, cuja obra tem sido elogiada e referenciada em todo o mundo, especialmente no Brasil, onde sua a sonoridade tem ilustres apoiantes como Caetano Veloso, Jô Soares, Vanessa da Mata ou Roberta Sá, entre outros. Um dos trunfos de Zambujo é a fórmula que aplica nas suas composições e estrutura musical: tendo o fado como matriz, o músico introduz elementos do jazz, bossa nova, morna e do cante alentejano, conferindo‐lhe uma identidade sonora única. Os seus discos Outro Sentido (2007) e Guia (2010) foram considerados ‘Top of the World Album’ pela reputada revista inglesa Songlines. António Zambujo conta com a colaboração de músicos oriundos de distintas áreas musicais, desde a clássica ao fado e ao jazz, o que lhe permite fazer várias abordagens ao longo do disco. Além de originais de António Zambujo, o disco conta com composições de Pedro da Silva Martins (Deolinda), Márcio Faraco, Rodrigo Maranhão e Miguel Araújo Jorge (Os Azeitonas) e letras de João Monge, Nuno Júdice, Maria do Rosário Pedreira e José Eduardo Agualusa, entre outros, tudo produzido sob a coordenação de Ricardo Cruz. António Zambujo cresceu a ouvir o cante alentejano. A harmonia das vozes, a cadência das frases e o tempo de cada andamento, foram para sempre uma influência. Nascido em Beja, em 1975, começou a estudar clarinete com 8 anos, estreando-se no Conservatório Regional do Baixo Alentejo. Ainda pequeno, apaixonou‐se pelo fado e pelas vozes de Amália Rodrigues, Maria Teresa de Noronha, Alfredo Marceneiro, João Ferreira Rosa e Max, entre muitos outros. Habituado a cantar em família e entre amigos, aos 16 anos chega mesmo a ganhar um concurso de fado. A meio do seu percurso integrou o elenco do musical Amália, dirigido por Filipe La Féria. Em 2002 é editado o seu primeiro álbum pela Ocarina, O mesmo fado, e na sequência do êxito do disco recebe o prémio de ‘Melhor Nova Voz do Fado’, já atribuído pela Rádio Nova FM a intérpretes como Mariza, Camané ou Mafalda Arnauth. Passados dois anos Zambujo ganha o Prémio Amália Rodrigues (atribuído pela Fundação Amália Rodrigues) na categoria de “Melhor Intérprete Masculino de Fado2. Em Setembro de 2007 lança o seu terceiro álbum, Outro Sentido, com produção musical de Ricardo Cruz e a participação especial das Vozes Búlgaras Angelite. No ano seguinte, Outro Sentido é editado na Europa e nos EUA pela Harmonia Mundi e considerado pela revista Songlines ‘Top of the World Album’. Depois de actuar no Teatre de La Ville, em Paris, Outro Sentido sobe ao terceiro lugar de vendas da Fnac francesa. A editora MPB edita Outro Sentido no Brasil. Esta edição tem três faixas adicionais com participações de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil, de Zé Renato e de Ivan Lins. Em Abril de 2010, António Zambujo lançou o seu quarto disco Guia, no Teatro São Luiz em Lisboa. Neste disco são interpretados originais de compositores e letristas nacionais e brasileiros tais como Vinicius de Moraes, Márcio Faraco, Pierre Aderne, Rodrigo Maranhão, Ricardo Cruz, o próprio Zambujo, João Gil, João Monge, Aldina Duarte, José Agualusa, Maria do Rosário Pedreira, Pedro Luís, entre outros. Nestes últimos anos, António Zambujo levou a sua música a países tão variados França, Espanha, Noruega, Suécia, Azerbaijão, Israel, Brasil, Estados Unidos e Canadá ou Macau e participou nos mais populares festivais nacionais como o Cool Jazzfest (2009), Encontro de Culturas de Serpa (2010), Festival de Músicas do Mundo de Sines (2011), Festival Med (2011), Festival dos Oceanos (2011), entre outros. O ano de 2012 vai levar António Zambujo a tantos outros países como Coreia do Sul, Brasil, Estados Unidos, Índia, Japão, Alemanha, Bélgica, Holanda, Espanha (Canárias – Festival Trânsitos 2012) e para o final do ano está marcada uma tournée nacional.


    2012