Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Prelúdio

    2. Os Filósofos

    3. Interlúdio

    4. Nós caminhamos todos muito juntos

    5. Interlúdio

    6. Revolução

    7. Vitória

    8. O Juramento

    9. Sinfonia

    10. A Constituição

     

    A música de Sergei Prokofieff ocupa um lugar importante no repertório das salas de concerto e dos teatros de ópera. Contudo, a Cantata para o 20º Aniversário da Revolução de Outubro enquadra-se num estilo diferente. É uma obra de proporções monumentais, escrita entre 1936 e 1937. Nessa época, o compositor tinha regressado definitivamente à União Soviética, após um período na Europa e nos Estados Unidos da América. Prokofieff dedicou-se à composição de uma cantata que representasse os acontecimentos da Revolução de Outubro de 1917, como uma espécie de apresentação ao público soviético. Contudo, nem tudo correu de feição. Por um lado, foi escrita durante a perseguição aos dirigentes soviéticos que permitiu a consolidação do poder de Estaline na década de 30, conhecida como A Grande Purga. Entre 1936 e 1938, muitas pessoas foram visadas, e a atmosfera persecutória permeava a sociedade soviética. Assim, uma obra sobre a Revolução de 1917 com textos de Lenine seria uma forma de resguardar Prokofieff e a sua família. Por outro lado, o centralismo burocrático soviético impediu a apresentação da obra sob pretexto de não se encontrar conforme à doutrina do regime. Prokofieff apresentou a obra ao Comité para os Assuntos Artísticos numa sessão realizada em Agosto de 1937. O parecer do Comité, à época liderado por Platon Mikhailovitch Kerzhentsev (o possível autor da crítica do Pravda a Lady Macbeth previamente referida), foi negativo. Assim, a estreia parcial da cantata deu-se postumamente, a 5 de Abril de 1966.

    A obra foi escrita para um efectivo vocal e instrumental de grande escala: um coro profissional, um coro amador, uma grande orquestra sinfónica, um grupo de metais, um conjunto de acordeonistas e vários efeitos sonoros (incluindo sirenes e metralhadoras). Assim, criava-se uma atmosfera de grandiosidade heróica compatível com os eventos de 1917. Dividida em três partes e em dez andamentos, a monumentalidade da Cantata para o 20º Aniversário da Revolução de Outubro é conseguida não só através dos grandes recursos vocais e instrumentais empregues, mas da heterogeneidade dos estilos utilizados. A primeira parte é a introdução e inclui quatro andamentos. Inicia-se com um prelúdio tempestuoso, que marcará a atmosfera da obra e ao qual Prokofieff associou a primeira frase do Manifesto Comunista, panfleto escrito por Karl Marx e Friedrich Engels e publicado em 1848. No segundo andamento, Os Filósofos, o coro canta a Tese XI das Teses sobre Feuerbach, de Marx, antecipando o clima revolucionário russo. Segue-se um interlúdio dramático e dissonante que prepara o andamento seguinte, baseado em textos que Lenine tinha escrito antes da Revolução.

    A segunda parte, “Revolução,” é a mais longa e intensa da obra e recorre a textos de Lenine escritos nos primeiros tempos da Revolução de Outubro. A obra tenta recriar sonoramente a Revolução Bolchevique, e a criação e manipulação das massas corais é feita de forma a dar a ideia do colectivo revolucionário. As marchas são omnipresentes, adensando a textura e aumentando o volume sonoro. O sexto andamento da obra representa o combate, e entra na narrativa toda a parafernália de efeitos sonoros. À medida que os combates se dão, a obra torna-se mais dramática. O sétimo andamento, Vitória, é lento e permite alguma distensão. Aqui, Prokofieff usa um efeito sonoro de passos, imitando uma marcha. A textura de marcha, neste caso solene, prossegue em O Juramento, andamento baseado no discurso proferido por Estaline na véspera do funeral de Lenine. Assim, Prokofieff apresenta uma espécie de passagem de testemunho entre os líderes. O nono andamento é instrumental, um interlúdio orquestral que remete para o universo das bandas sonoras. Neste caso, e tendo em conta a abordagem cronológica do compositor, pode querer recriar o ritmo da industrialização soviética sob a liderança de Estaline. A cantata termina com um andamento cujo texto provém do discurso de Estaline ao Oitavo Congresso Extraordinário dos Sovietes, realizado em Novembro de 1936. Nesse congresso foi aprovada a Constituição de 1936, que transformou o sistema político soviético e reforçou indirectamente os poderes do Chefe de Estado. Passagens modernistas influenciadas pelo Futurismo, marchas militares, melodias e instrumentos tradicionais e uma forte componente narrativa em tempo real constituem elementos que se fundem numa textura única.

     


    João Silva, 2016 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE