Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Proshchai, Grenada! (Adeus, Granada!)

    2. Zvyozdochki (Estrelinhas)

    3. Pervaya vstrecha (O primeiro encontro)

    4. Ronda (Dança de roda)

    5. Chernookaya (A rapariga de olhos escuros) 

     

    1. Proshchai, Grenada! (Adeus, Granada)

    Adeus Granada, parto para sempre! As memórias que guardo de ti serão o meu único consolo. Tudo aquilo que me importa está perdido, o meu amor foi para a escuridão da sepultura levando, assim também, a minha vida.

    2. Zvyozdochki (Estrelinhas)

    Vou ao encontro do meu amor com a minha guitarra para lhe ensinar canções. Mas, o ensinamento tem um preço: cobro um beijo por cada nota… Estranhamente, ao amanhecer ela sabe tudo… excepto as notas! Que pena, é tarde demais para começar de novo… O céu está coberto de estrelinhas e eu digo ao meu amor os nomes de todas elas. Valorizando o meu conhecimento, cobro um beijo por cada nome. A lição parece fácil para o meu amor, tudo aprende menos as estrelas! Que pena, é tarde demais para começar de novo...

    3. Pervaya vstrecha (O primeiro encontro)

    Deste-me uma vez um pouco de água junto ao riacho, era fresca como a neve das montanhas azuis. Teus olhos são mais escuros do que a noite e as tuas tranças têm o aroma de pétalas de hortelã. Vê como a dança gira novamente, ouve o pandeiro!

    Nunca esquecerei o nosso primeiro encontro, palavras carinhosas e olhos negros brilhantes... Foi então que compreendi que te amava e te amaria para sempre! Vê como a dança gira novamente, ouve o pandeiro!

    4. Ronda (Dança de roda)

    A dança está à nossa porta - vem depressa, dança comigo! Dá-me a tua mão, minha menina, minha flor de cravo escarlate. É a alegre celebração das primeiras flores, é a celebração do nosso amor. Quando virás para junto de mim, minha doce flor de primavera?

    5. Chernookaya (A rapariga de olhos escuros)

    Tua mãe deu-te olhos como estrelas e a essa cor macia da tua face, minha querida! Já pela noite dentro, com dor no coração, eu penso em ti, minha querida! Ah! Porque me castiga assim o destino? Ah! Porque te conheci?

    Tua mãe deu-te uma figura alta e esse brilho negro das tuas tranças rebeldes. Amaldiçoo o meu destino cruel, a dor e a tortura no meu coração, minha querida! Oh, como pode a tua mãe dar-te tanta beleza para me ofender? Morrerei de amor se tu não me amares, minha querida! 

     


    Síntese de canções por Luís Duarte, 2017 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE