Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Vivace

    2. Andante

    3. Allegro vivace

     

    O primeiro Concerto para piano e orquestra de Rachmaninoff é um dos mais auspiciosos opus 1 da história da música ocidental, a primeira obra do catálogo de um compositor que contava apenas dezoito anos de idade e ainda tinha, pelo menos, um ano de estudos pela frente para terminar o conservatório. Este facto testemunha o enorme talento de Rachmaninoff e a tradição de exigência de uma das mais célebres instituições de ensino da música a nível mundial, o Conservatório Tchaikovski de Moscovo.

    Rachmaninoff ingressou na instituição pela mão do célebre maestro e pedagogo Ziloti que o recomendou ao seu antigo professor, Nikolai Zverev. A exemplo do que alguns professores faziam com os alunos mais talentosos, Rachmaninoff não pagou propinas, vivia em casa do professor e eram-lhe providenciados ingressos gratuitos para as mais diversas actividades culturais tais como concertos, ópera, teatro e bailado. Já nessa altura havia na Rússia a consciência de que a formação de um músico deve ser abrangente e que só apostando nos jovens se consegue alcançar a excelência. Não admira, pois, que entre os colegas de Rachmaninoff desse período constem nomes como os dos compositores e pianistas Scriabin, Busoni, Goldenweiser ou Lhévinne.

    O Concerto começou a ganhar forma em Março de 1891 e durante o mês de Junho Rachmaninoff fechou-se em casa para terminar a obra. Segundo o seu testemunho, o que custou mais foi ‘arrancar’ com o primeiro andamento, sendo que os dois últimos foram escritos num acesso de inspiração em dois dias consecutivos de trabalho entre as cinco da manhã e as oito da noite! O jovem Sergei dedicou o concerto a Ziloti.

    A estreia do primeiro andamento decorreu a 17 de Março do ano seguinte sob a direcção do director do Conservatório, Vassili Safonov, e não se sabe exactamente quando terá sido apresentado na íntegra. Mas a versão que é geralmente apresentada, resulta de uma revisão que o compositor fez em 1917, passados 26 anos, e que o próprio apresentou pela primeira vez ao público de Nova Iorque no ano de 1919.

    Os primeiros compassos devem alguma inspiração ao modelo composicional do concerto de Grieg, existindo aqui uma espécie de amplificação da célebre oscilação entre os acordes da tónica e da dominante. Após a empolgante entrada do piano, a orquestra revela um daqueles temas que só podia ser de Rachmaninoff. Esse é um aspecto particularmente significativo ao estar patente na sua primeira obra. De um lirismo acentuado, com uma ‘sonoridade de veludo’, insinuante, este primeiro tema é repetido pelo piano num interessante diálogo com a orquestra. E é o piano que toma a iniciativa de apresentar o segundo tema contrastante, uma verdadeira demonstração de velocidade e virtuosismo que vai dominar todo o andamento.

    É um solo de trompa que lança o segundo andamento, de carácter mais contemplativo, sendo que o piano parece cantar um recitativo improvisado. Todo ele é uma cantilena nesse registo introspectivo, terminando com um brilho muito característico da técnica pianística de Rachmaninoff.

    O terceiro andamento insere-se na tradição dos diálogos da música concertante romântica, geralmente utilizada nos finales. Tem dois temas: um muito virtuoso a grande velocidade e um outro mais lírico, sendo que este domina o andamento pela sua maior expressividade e por ser alvo de um maior desenvolvimento. No entanto, não se pode considerar os dois como forças opostas mas como partes contrastantes de uma mesma dramaturgia, toda ela bem empolgante.

     


    Rui Pereira

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE