Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • Os anos 70 do séc. XIX foram intensos e significativos para Camille Saint-Saëns, que participou na guerra franco-prussiano, casou, e viu a confirmação e aclamação das suas óperas em Paris. Foi também nesta década que compôs algumas obras notáveis do seu repertório, destacando-se o Concerto para violoncelo e orquestra n.º 1, a Dança Macabra ou a ópera Sansão e Dalila.

    A composição do poema sinfónico Dança Macabra op. 40, para orquestra, começou por ser idealizada para voz e piano, em 1872, e só depois foi adaptada para orquestra, com o acrescento de novas secções e da dedicatória a Gustave Jacquet. A parte vocal incluía o poema Égalité, Fraternité... do poeta francês Henri Cazalis (sob o pseudónimo Jean Lahor), com uma temática baseada na crença de que a Morte aparece à meia-noite do Halloween, invocando os mortos que estão nas suas campas para que dancem para ela, enquanto toca violino. A dança macabra mantém-se até ao amanhecer, altura em que os mortos regressam às suas sepulturas até ao ano seguinte. A estreia teve lugar em Paris, a 24 de Janeiro de 1875, sob a direcção de Édouard Colonne, num programa que incluía obras de Haydn, Beethoven, Joncières e Handel. De acordo com pesquisas mais recentes, foi bem recebida pelo público recolhendo poucas críticas negativas.

    Ao nível musical, Saint-Saëns ilustra o cenário macabro utilizando os vários recursos orquestrais e algumas das indicações do próprio poema, iniciando com um Mouvement modéré de Valse. A meia-noite adquire uma dimensão simbólica que é anunciada pelas 12 notas repetidas consecutivamente pela harpa. A Morte entra em cena com um solo do violino marcado por uma melodia sedutora, seguindo-se depois a flauta e toda a orquestra. A orquestração ilustra depois a dança macabra dos esqueletos, com repetições quase hipnóticas, usando para isso diferentes recursos rítmicos, tímbricos e instrumentais, como por exemplo os xilofones que aludem ao som dos esqueletos. O final da obra retoma o solo de violino, representativo da morte, no qual os mortos recolhem às suas sepulturas.

     


    Pedro Russo Moreira, 2017 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE