Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Prelúdio (Moderato) –

    2. Scherzo (vivace) –

    3. Marcha (Tempo di marcia)

    4. Valsa (Vivo)

    5. Ária (Andante espressivo)

    6. Serenata (Allegretto)

    7. Sarabanda (Lento non troppo) & Cadência –

    8. Finale (Vivo)

     

    Diversions foi o resultado da colaboração de um compositor profissional com um instrumentista, neste caso, da colaboração de Blake com Maurice Gendron, considerado um dos mais importantes violoncelistas do século passado e que, curiosamente, fez a sua estreia acompanhado ao piano por Benjamin Britten, aluno de Frank Bridge. Diversions teve uma versão prévia, para violoncelo e piano, já concebida como uma suite, o que remete logo para o antecedente ilustre das suites para violoncelo solo de Johann Sebastian Bach, transformadas por Pablo Casals em peças incontornáveis do repertório para o instrumento. Seguindo a sugestão de Gendron, Blake adicionou um novo finale, ampliou alguns dos andamentos e escreveu uma espectacular cadência. O violoncelista orientou ainda Blake no sentido de extrair, nas suas palavras, o “máximo efeito e virtuosismo de cada aspecto do violoncelo”. 

    O violoncelo trata-se, com efeito, de um objecto sonoro particular, cuja personalidade se destaca pela nobreza e expressividade. Afirma-se habitualmente que é o instrumento mais próximo da voz, e esse é um dos traços que Blake melhor explora na sua obra – logo nos primeiros compassos, por exemplo, ou mais à frente na Ária. A escrita instrumental desta obra é muito diversa e exigente. Para além dessa especial qualidade vocal, que requer do instrumentista um fraseio impecável e que aqui se estende a todos os registos, a partitura usa uma ampla gama de diferentes técnicas e efeitos que contribuem para que se possa escutar uma variada paleta de cores na parte solista. Deixa igualmente espaço para o puro virtuosismo, como por exemplo no Vivo com que se inicia o último andamento, repleto de rápidas escalas, saltos e cordas duplas. 

     


    Teresa Cascudo, 2017 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE