• O título da obra faz referência ao quadro de James Abott Whistler “Nocturne in Black and Gold”, pintado em 1875, e que retrata a queda dos foguetes de um fogo‑de‑artifício. Este mesmo quadro seduzira Debussy no seu segundo nocturno “Fêtes”. Aqui, a noite é o cená­rio, inflamada pelos clarões, pelos fragmentos e pelas fagulhas. A realização é activa, eficaz, percebe‑se o movimento, a rapidez, o mistério, a fluidez da pintura, elementos também ineren­tes à minha escrita musical, na qual pretendi, muitas vezes, traduzir a relação entre a maté­ria pictórica e o material sonoro. Esta relação é aqui sugerida pela utilização de técnicas típicas das cordas. Além disso, quis insistir na dimen­são espacial, particularmente sensível neste quadro, ao utilizar e opor as tessituras extre­mas dos instrumentos.

     


    Nota do compositor. 

    Tradução cedida gentilmente pela Fundação Calouste Gulbenkian. 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE