Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Die Nacht

    2. Denn das Schöne

    3. Jeder Engel

    4. Einsam

    5. Steigendes Glück

    A vitalidade da tradição polifónica pré-barroca como fonte de inspiração e estímulo para a procura de novas e originais fórmulas expressivas também é testemunhada por uma composição já do século XXI, Rilke-Madrigale (2005) do compositor alemão Bernd Franke (Weissenfels/Saale, 1959), escrita quatro anos depois de um outro ciclo dedicado à música e à figura do madrigalista italiano Gesualdo da Venosa (Significatio-Gesualdo, 2001).

    O mesmo Franke recorda como, depois de alguns trabalhos de juventude baseados em textos de Rilke, ele não mais utilizara os versos deste poeta devido a uma espécie de respeito reverencial para com a sua poesia “altamente musical”, regressando a eles só na maturidade, depois de um percurso profissional que o tinha visto trabalhar sobre uma grande variedade de textos de autores de diferentes períodos. De acordo com uma técnica composicional já consolidada ao longo dos anos, a abordagem dos versos de Rilke tenta procurar a sua essência, que se tornará depois a chave para expressar o seu “próprio mundo musical, novas atmosferas, estranhos e distantes mundos”. Para este fim, o compositor fez uma selecção de fragmentos extraídos da primeira e da décima das Elegias de Duíno de Rilke, que foram o estímulo para a sua pesquisa pessoal na qual conflui, evidentemente, a sua bagagem de interesses e de diferentes experiências musicais: em particular a música antiga ocidental e a música das tradições indianas e árabes que, no olhar do compositor, desvelam alguns significativos pontos de contacto. A obra começa com uma fascinante evocação da prática medieval do organum e, em seguida, alterna secções que exploram os contrastes tímbricos, dinâmicos e rítmicos seja do canto, seja da fala, bem como uma variedade de possíveis combinações de estruturas modais, relações intervalares, e, em definitivo, tudo o que na poesia de Rilke pode ser significativo para o “desenvolvimento, identificação, investigação, pressentimento de sons, tons e ritmos”. O resultado é uma obra de grande eficácia que, sem renunciar à imediatez comunicativa, se desenvolve com elegância e originalidade.


    Francesco Esposito, 2015

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE