• - Ja zhdu tebya (Espero por ti), op. 14 n.º 1

    - Kak mne bolno (Quanta dor sinto), op. 21 n.º 12

    - Son (O sonho), op. 8 n.º 5

    - Pred ikonoy (Diante do ícone), op. 21 n.º 10

    - Hristos voskres (Cristo ressuscitou), op. 26 n.º 6 

    - Prohodit vsyo (Tudo passa), op. 25 n.º 15 

     

    - Ja zhdu tebya (Espero por ti), op. 14 n.º 1

    Espero por ti! O sol já se pôs e a escuridão da noite está pronta a esconder-nos. Espero por ti! Atormentado e apaixonado, cheio de angústia e impaciência eu espero por ti!

     

    - Kak mne bolno (Quanta dor sinto), op. 21 n.º 12

    Quanta dor sinto, como eu desejo viver... Quão perfumada é a primavera! Oh não! Pudesse a velhice vir mais cedo, para que eu não ouvisse o cantar do rouxinol, para que não sentisse o aroma dos lilases... Para que nesta paz eu não lamentasse tão dolorosamente o que me falta!

     

    - Son (O sonho), op. 8 n.º 5

    Eu tinha uma bela pátria - mas era um sonho. A minha família e os meus amigos estavam vivos, partilhando palavras de amor - mas era um sonho!

     

    - Pred ikonoy (Diante do ícone), op. 21 n.º 10

    Ela estava deitada em lágrimas no chão em frente ao ícone. Os seus lábios moviam-se numa súplica desesperada, o seu rosto pálido estava iluminado de amor, enquanto repetia um nome. Ela permaneceu ali muito tempo, como se à espera da resposta de uma voz familiar. Mas tudo estava tranquilo, a vela tremeluzindo na escuridão, enquanto o Salvador a olhava nos olhos tristemente, implorando o impossível.

     

    - Hristos voskres (Cristo ressuscitou), op. 26 n.º 6 

    "Cristo ressuscitou", cantam eles na igreja; porém a minha alma está silenciosa. O mundo está embebido em sangue e lágrimas, assim este hino soa como um insulto. Estivesse Ele entre nós para ver como o irmão odeia o seu irmão, quão vergonhosa é a humanidade - e então ouvisse este "Cristo ressuscitou", que lágrimas tão amargas Ele haveria de soluçar!

     

    - Prohodit vsyo (Tudo passa), op. 25 n.º 15

    Tudo passa, a vida a fugir num piscar de olhos. Para onde foram as palavras que nos costumavam significar tanto? Uma flor desabrocha, mas amanhã irá murchar. Uma chama arde para em breve se consumir. Após uma onda levanta-se outra... Não posso cantar canções alegres!

      


    Síntese de canções por Luís Duarte, 2017

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE