Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1.Adagio maestoso – Allegro con brio

    2.Allegretto

    3.Minuetto–Trio vivace

    4.Presto vivace 

     

    Quando pensamos em Schubert, pensamos no lirismo absoluto, em harmonias e modulações subtis e muitas vezes inesperadas, num melodismo inesgotável. O seu estilo está frequentemente associado a um intimismo criado pelo tipo de escrita musical e pelos instrumentos escolhidos. Este carácter de interioridade da sua música atingiu o ponto mais alto nos lieder (canções com acompanhamento de piano). Para além de muitos lieder (escreveu mais de 600), abordou praticamente todos os outros géneros musicais. Na sua curta vida de 31 anos legou-nos uma obra extraordinária em qualidade e quantidade.

    Quando Schubert faleceu, a maioria das suas composições estava inédita. Só em finais do século XIX se tem a real dimensão da sua produção musical na totalidade (a primeira edição completa das suas obras é publicada entre 1885 e 1897). Em 1951 Otto Erich Deutsch, realizou o catálogo temático e cronológico das obras de Schubert (usa-se por isso a abreviatura D a preceder o número de catálogo).

    Schubert apresentava a sua música de câmara, em particular os lieder nas célebres schubertiadas – encontros informais de músicos, poetas, dramaturgos, filósofos, … patrocinados por amigos e admiradores da sua música. Schubert escreveu música para textos de grandes poetas como Schiller, Goethe, Klopstock, Heine, Rückert, mas também para poetas menores como Hölty e Stolberg. A natureza, o amor e a morte são os temas mais frequentes nos seus lieder.

    Schubert compôs 9 sinfonias. Destas, as primeiras seis (produzidas entre 1808 e 1818) eram destinadas a ser tocadas pela Orquestra da Capela Imperial, onde Schubert era aluno. Talvez o facto desta orquestra ser formada por estudantes explique a simplicidade da Sinfonia nº 3, quando comparada com outras obras da mesma época (por exemplo, o admirável lied Gretchen am Spinnrade D. 118, composto no ano anterior).

    Schubert tinha 19 anos quando terminou a Sinfonia nº 3. Nesse profícuo ano de 1815, escreveu cerca de 150 lieder, uma ópera, quatro operetas, duas missas, duas sinfonias, um quarteto de cordas, para além de obras corais e de piano. A primeira execução completa da Sinfonia nº 3 deu-se apenas em 1880. 

    A Sinfonia nº 3 em Ré maior, D 200, é constituída por quatro andamentos: 1-. Adagio maestoso. Allegro con brio; 2. Allegretto; 3. Minuetto. Trio  vivace; 4. Presto vivace.

    A admiração que Schubert tinha por Haydn e Mozart está bem presente nesta obra onde a influência destes compositores é notória.


    Luís Henrique 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE