Singularity

Nelson Cascais ,

[2017]

Encomenda Orquestra Jazz de Matosinhos

Estreia mundial: 11 de Maio de 2017 na Casa da Música; Orquestra Jazz de Matosinhos; Direcção musical: Pedro Guedes 

 

  • Recebi o convite para escrever uma peça para a OJM com muita satisfação e com a plena consciência do privilégio que me estava a ser concedido: o desafio de compôr a minha primeira peça para big band e logo para uma das mais importantes orquestras de jazz da actualidade, com um elenco absolutamente fabuloso e com a qual com já tive o prazer de tocar e portanto conheço intrinsecamente bem. 

    Escrevi esta peça inspirando-me na ideia da singularidade tecnológica da qual nos aproximamo vertiginosamente. Aquele que será indiscutivelmente um ponto de viragem dramático na histórica da humanidade é algo verdadeiramente fascinante e misterioso e exige-nos uma reflexão sobre o presente e sobre esta perspectiva da fusão homem-máquina num futuro cada vez mais próximo.   

    A partir desta reflexão escrevi Singularity, procurando, através de duas partes contrastantes, pelo andamento, instrumentação e textura, traduzir esta ideia do antes e do depois, do presente e do futuro, do conhecido e do desconhecido.

     

     


    Nelson Cascais, 2017