Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • 1. Pour les notes répétées

    2. Pour les sonorités opposées

    3. Pour les accords 

     

    O universo das artes visuais que Michael Jarrell começou por estudar na sua juventude haverá de continuar a marcar a sua obra musical a partir do momento em que decide estudar composição, inicialmente em Genebra e mais tarde em Freiburg. Este percurso passou ainda por outras etapas importantes: no IRCAM, na Villa Medicis em Roma, ou como compositor residente da Orquestra de Lyon ou do Festival de Lucerna.

    As relações da escrita musical com diversos dados do mundo das artes visuais são uma constante no seu trabalho, integrando a imagem e o movimento, o vídeo e a electrónica em muitas das suas obras, nomeadamente nas duas maiores criações: as óperas Cassandre(1996)e Galilei(2006). Tem sido distinguido com numerosos prémios em concursos. A sua obra MusicforaWhile(1995), para ensemble, fez parte do programa de um concerto do Remix Ensemble, na Casa da Música, em 2007.

    Os Estudos para piano, de Debussy (1915), foram a última colecção de peças que o compositor escreveu. Para além de um novo código interpretativo e técnico – porque pensados para uma música nova – supõem também um novo estatuto composicional. Se é verdade que os estudos criados para a maioria dos instrumentos alargaram consideravelmente as fronteiras da técnica, outros há que transcendem a mera componente técnica e prática da aprendizagem e do domínio de um instrumento. Os Estudos de Debussy fazem parte deste segundo grupo, mais restrito. São “pretextos” para a criação de música.

    Se os primeiros seis estudos se concentram ainda num dado específico (“para os 5 dedos”, “para as terceiras”, etc), os do segundo livro concentram-se sobretudo em aspectos de ordem musical, de ambiência, de carácter, timbre, colorido orquestral, construção (“para as sonoridades opostas”, por exemplo).

    Os estudos seleccionados por Michael Jarrell para as suas orquestrações são significativamente (e compreensivelmente) do segundo livro. O Estudo n.º 9 – “para as notas repetidas” – é o mais cru e despojado de todos. A sua escrita seca e mecânica vive da clareza e precisão das articulações e ataques. O Estudo n.º 10 – “para as sonoridades opostas” – é de efeito deslumbrante no que respeita ao trabalho tímbrico e dinâmico, ao jogo de texturas e planos ou à construção no tempo e no espaço. Esta obra genial e profética vai muito para além daquilo que poderíamos supor por detrás da designação de “estudo”. O Estudo n.º 12 – “para os acordes” – é o corolário lógico de toda a colecção e o seu fecho perfeito. O seu carácter rítmico e a escrita percussiva, mecânica e exacta, algures entre o exterior e brilhante, estão próximos, de alguma forma, de Stravinski. Curiosamente este estudo, simétrico na sua construção global, tem uma secção central de escrita absolutamente contrastante, numa drástica suspensão do tempo de refinado pendor poético.

    As orquestrações de Jarrell seguem de perto as sugestivas escritas dos estudos de Debussy, eles próprios de escrita pianística bem orquestral. No primeiro, “para as notas repetidas”, os efeitos de repetição e de mecanismo são muito bem expressos por toda a orquestra, nomeadamente por cordas e madeiras, num efeito de multiplicação tímbrica que a todo o tempo vai contrapondo desenhos e cores. No estudo“para as sonoridades opostas”,a orquestra potencia todos os efeitos de luz, de cor, textura e volume que a escrita pianística já expressava de forma superlativa. Apetece dizer que perante uma tal partitura pianística não parece necessário inventar nada. Mas é em aspectos como o legato ou a sustentação dos sons que a orquestra (cordas e sopros, sobretudo) acrescenta algo e bem decisivo. No estudo “para os acordes”, aquilo que da escrita pianística se perde em percussão e acutilância ganha-se em consistência, fusão e plasticidade. A escrita é ampla e plena. Muito mais ainda depois daquela enigmática secção central, expressa numa cor instrumental muito inventiva. Mas não era já assim a partitura de Debussy? 

     


    Fernando C. Lapa, 2017 

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE