Trurl-Tichy-Tinkle

Olga Neuwirth, Austria, 04 de Agosto de 1968

[2016;c.10min]

Encomenda Wiener Konzerthaus e Musikverein Wien, com o apoio da ECHO.

  • A obra de Olga Neuwirth (Graz, 1968) denota uma distinta concepção do instrumento. Ao invés da configuração hierarquizada melodia/acompanhamento, que numa metáfora visual podíamos tomar como a complementaridade figura/fundo, verificamos a exploração do espaço numa lógica unidimensional em que, retomando a metáfora, o todo se transforma em fundo, ou em figura. Se tal metáfora teria cabimento, desde logo, pelo interesse que Olga Neuwirth manifesta pela pintura, arquitectura e cinema, não seria também despiciente na compreensão da obra em escuta – em Trurl-Tichy-Tinkle (2016), a compositora constrói com linhas, pontos e massas sonoras, contrastando registos, ritmos, texturas, figurações (fragmentos lineares, clusters, arpejos, notas repetidas), numa montagem que não exclui reminiscências tonais e estilísticas.

     


    Ângelo Martingo, 2017