Gonçalo Gato (Portugal, 1979) - Jovem Compositor em Residência

Pelo 11º ano consecutivo, a Casa da Música escolhe um compositor português para dar a conhecer ao seu público, encomendando-lhe três obras que serão estreadas pelos agrupamentos da Casa e pelo grupo de câmara vencedor do Prémio Jovens Músicos no ano anterior. Em 2018 a escolha recai sobre Gonçalo Gato, compositor de Lisboa nascido em 1979 que se tem destacado pelas colaborações com alguns dos agrupamentos mais relevantes da Europa.

As peças de Gonçalo Gato têm sido apresentadas em Portugal, Reino Unido, Alemanha, França e Brasil. Tem trabalhado com as principais orquestras inglesas tais como a Sinfónica da BBC, que apresentou o seu octeto Vacuum Instability (2013); a Britten Sinfonia, com a qual desenvolveu a peça Colour Matters (2016); e a Sinfónica de Londres, para a qual escreveu Fantasia (2017). Trabalhou também com importantes ensembles como o Ensemble Recherche (Alemanha), que lhe encomendou a peça A Walk in the Countryside (2016); o Chroma Ensemble (Reino Unido); para o qual escreveu Dégradé (2012); e o Sond’Ar-te Electric Ensemble (Portugal), para o qual escreveu Configurazioni (2010). Antes de rumar a Londres, ganhou por duas vezes o primeiro prémio no Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim: primeiro com a sua obra Derivação (2008), para piano, e depois com Vectorial-modular (2011), para orquestra. Já em Londres, completou o doutoramento na Guildhall School of Music and Drama sob orientação de Julian Anderson.

A pesquisa subjacente levou à publicação de um artigo no OM Composer’s Book 3 (2016), editado pelo IRCAM / Centre Pompidou (Paris), instituição onde obteve formação especializada e onde apresentou o seu trabalho.