Projectos

Estruturantes ou complementares às actividades apresentadas nesta Agenda, mas todos eles formados na autonomia, os projectos do Serviço Educativo da Casa da Música indicam dinâmicas criativas, consistentes e de aturada reflexão. Por linguagens diferenciadoras e sob propósitos próprios, encontram‑se em princípios que nos são caros: incentivam a investigação, acusam inovação e gostam de integrar. No conjunto, revelam multidisciplinaridade, com a música, sempre ela, no nervo central.

Remetem para programas que se reeditam de ano para ano, respondendo ao calendário predefinido sempre com conteúdos novos, ou formações musicais que se afirmam pela singularidade. Estabelecem-se por práticas precursoras, atitudes desacomodadas. Admitem fusões e servem princípios pedagógicos e artísticos. Vivem na Casa, mas ganham uma dimensão lata, estendendo o seu alcance a públicos alargados e a comunidades, mas também a outros ambientes, outros palcos. São muitos e cada um com a sua história.

  • Coro Infantil Casa da Música

    António Miguel Teixeira, Duarte Cardoso, Gonçalo Vasquez, Ivo Brandão, Joana Araújo, Joana Castro e Raquel Couto direcção musical

    Da união de muitas vontades nasceu um projecto que aspira a ser de qualidade artística superior, dimensão social e valor educativo. O Coro Infantil Casa da Música é hoje um dos grupos residentes da instituição, justificando por talento próprio a sua estreia pública num dos concertos maiores de 2017: no Dia Mundial da Música, na Sala Suggia, junta-se à Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, ao Coro Nacional de Espanha e ao Coro Lira para interpretar War Requiem, de Benjamin Britten.

    Formado por cerca de 40 crianças, este Coro resulta e é parte integrante de uma dinâmica extraordinária iniciada no último ano lectivo, a manter no futuro. Em articulação com as escolas básicas de Quatro Caminhos (Matosinhos), Lomba (Porto) e Quinta das Chãs (Vila Nova de Gaia), desenvolveu-se um processo de formação coral que chamou cerca de 350 crianças, agregou educadores e famílias, motivou as comunidades vizinhas.

    Deste percurso resultaram três grupos corais, um por escola, de onde saem as vozes do Coro Infantil. São, assim, quatro estruturas a evoluir numa geografia alargada, orientadas pelo Serviço Educativo. Exploração de repertórios corais, composição colectiva e incentivo ao sucesso curricular, são alicerces deste projecto.


    Sessões
  • Orquestra Som da Rua

    Daniel Sousa, Jorge Prendas, Paulo Coelho de Castro, Pedro Cardoso (Peixe) e Tiago Oliveira direcção artística

    Utentes da Liga para a Inclusão Social interpretação

    Podia ser música ácida, há histórias que acabam assim, mas o Som da Rua é poesia da cidade, com as suas sombras na alma e uma luz que teima em resgatar a vida. Projecto artístico de grande dimensão humana, este é um ensemble inclusivo, sempre de porta aberta, composto por homens e mulheres com experiências e percursos difíceis. Numa canção e no palco, é alegria de encontro. Vontade de comunicação.

    Já com um vasto repertório de temas próprios, vários assinados por conhecidos compositores, esta Orquestra surgiu em 2009, no âmbito do programa A Casa Vai a Casa e de uma parceria do Serviço Educativo com instituições de intervenção social do Porto. Nasceu discreto e cresceu pelo país, afirmando-se pelo seu valor artístico e social. E nunca perdeu a essência. Com 65 apresentações ao público contabilizadas, mantém sempre o som de quem conhece ruas e realidades ásperas, mas descobre beleza na cidade e tece a esperança em dias novos.


    Sessões
  • Ensemble de Gamelão Casa da Música

    Jorge Queijo e Maria Mónica direcção artística

    Entre sonoridades com mais de mil anos trilha-se a inovação, dilui-se Oriente e Ocidente. Decorre tudo do respeito pelo que se recebe e da vontade em expandir a geografia comum. Simbioticamente, 12 músicos, com percursos artísticos distintos, e um notável corpo de percussões, tradicional de Java, formam uma identidade que considera as partes. Na unidade escuta-se diversidade.

    A partir do conhecimento profundo do gamelão, formou‑se um ensemble de registo contemporâneo. Por sua acção, a ancestralidade tímbrica de instrumentos que são obras de arte acolhe, sem conflito, a música improvisada e de fusão, rock e jazz. Seja em concertos próprios ou integrando projectos artísticos, educativos e/ou comunitários, experimentação e integração são-lhe princípios caros. Com um álbum editado, este colectivo responde por apresentações de forte carga performativa, numa escala que vai do cício à explosão.


    Sessões
  • Orquestra de Guitarras e Baixos Eléctricos

    Maria Mónica e Pedro Cardoso (Peixe) direcção artística

    Por muito que se prepare, é alto impacto que vai sentir. É este o efeito no ouvinte. Se apenas uma guitarra ou um baixo ligados à corrente podem alcançar uma potência brutal, imagine-se perto de vinte, mais duas baterias a acompanhar.

    Injectadas por amplificadores, ondas sonoras ganham espessura física, ocupam o espaço e fazem vibrar a matéria.

    Com a sua génese no Curso de Formação de Animadores Musicais, o colectivo liderado pelos músicos Peixe e Maria Mónica rege-se por uma direcção improvisada que prescinde da partitura. Sob códigos próprios e intuitivos, desenvolve repertórios entre o género experimental e o rock que ganham nuances novas em cada apresentação. Singularíssima, esta é uma orquestra insubmissa com um propósito firme: a fazer-se música, que seja ao vivo, em performances que não se repetem.

  • Orquestra Energia Fundação EDP

    A música é o fio condutor de um projecto de inclusão social pautado por critérios de exigência artística. Constituída por alunos de escolas de Amarante, Mirandela e Murça, esta Orquestra foi criada pela Fundação EDP em 2010, com o objectivo de contribuir para o sucesso escolar de crianças e jovens, valorizando o seu papel na família e na comunidade.

    Em 2015, a Casa da Música assume a direcção artística e pedagógica desta orquestra. Um trabalho consistente que junta duas instituições com vocação integradora. Fruto desta cooperação, compositores que colaboram regularmente com a Casa criam anualmente um repertório moldado à identidade desta orquestra e dos seus jovens músicos.


    Sessões
  • Orelhudo!

    O bom dia musical chega às escolas e a todo o lado. Desenhado em estreita relação com o programa curricular do 1.º Ciclo do Ensino Básico, o Orelhudo! propõe audições diárias, nunca superiores a 90 segundos e sempre distintas, ao longo do ano lectivo. A música, dos mais diversos géneros, é acompanhada por conteúdos escritos que abrem a enciclopédia do conhecimento.

    Curiosidade, concentração, interacção e aprendizagem, tudo se estimula através desta ferramenta do Serviço Educativo da Casa da Música que, com uma proposta simples, tem um largo alcance. Cada novo dia amplia a visão do mundo. Mensalmente, há uma semana votada a um tema geral e pertinente. Cores, Árvores, Cidades ou Fenómenos Atmosféricos ficam aqui como exemplo de tópicos introduzidos através da selecção musical.

    Em expansão no país e pelo mundo, adoptado já por escolas portuguesas no estrangeiro, Orelhudo! está acessível de forma gratuita ao público em geral, em orelhudo.casadamusica.com, ou através de uma versão optimizada para smartphone ou tablet.

    Para as escolas existem duas versões: uma destina-se à sala de aula, a utilizar com os alunos, e outra aos professores, permitindo-lhes aceder a sugestões de actividades e navegar por todo o calendário.

    Seja em que contexto for, este é um programa bom de ouvir, que pela música e pelo texto alarga a cultura geral e propõe o debate aberto entre colegas, com amigos ou em família.

    Visite-nos em orelhudo.casadamusica.com

    Mais info e sugestões orelhudo@casadamusica.com

     


    Sessões
  • Dia Mundial da Música

    Onde todos os dias são da música, a efeméride não passa em branco. Faz-se escutar de modo inaudito, com produções para todos os públicos, em vários palcos.

    Este ano o Dia é particularmente feliz. Nele se promove a estreia do Coro Infantil Casa da Música, o mais novo residente da instituição. Acontece na Sala Suggia, pela porta imensa que é War Requiem, de Britten, com a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, o Coro Nacional de Espanha e o Coro Lira.

    A revelar o estatuto intergeracional e inclusivo da música, a celebração passa também pelo coreto, com a Orquestra Som da Rua a partilhar um repertório que aproxima pessoas, torna mais próximo o ideal de cidade.


    Sessões
  • Dia Mundial da Criança

    É sempre festa e algo mais. Num projecto como o do Serviço Educativo, por definição estreitamente vinculado às novas gerações, o Dia Mundial da Criança celebra-se com um programa que torna a música, muitas vezes, a emissária de mensagens fundamentais, valores para a vida. Formatos inovadores de concerto e apresentações multidisciplinares, na Casa ou itinerantes, fazem a história de edições comemorativas que, ano após ano, são pensadas para os mais novos, recomendadas a todas as idades.

    Em 2018 todos estes critérios têm encontro num espectáculo que leva ao palco os Direitos Fundamentais da Criança. É uma escolha muito séria. Com criatividade e óbvia animação, lembra-se quem e o que não pode ser negligenciado. Para os mais pequenos e suas famílias não vai faltar alegria com uma boa grilaria!


    Sessões
  • Ao Alcance de Todos

    É o sentido de porta aberta, o único plausível, que orienta um dos programas mais antigos do Serviço Educativo e talvez aquele que melhor exprime o manifesto integrador do nosso trabalho e da própria música. De carácter artístico e grande alcance social, abraça pessoas e comunidades com acesso restrito a experiências musicais positivas, francamente válidas, promotoras da estima pessoal e da inclusão social.

    Contemplando anualmente uma série de projectos multidisciplinares, processos que fazem tombar barreiras, Ao Alcance de Todos cria o espaço para intervenções profundas que se estendem por meses. Através de propostas inéditas, orientadas por formadores nacionais e estrangeiros, a música intervém, transforma, reabilita. O que vai acontecendo de forma discreta revela-se, no início da Primavera, com uma semana aberta de oficinas e espectáculos com intensidade emocional e qualidade artística.


    Sessões
  • Sonópolis

    Todos os anos, em Julho, o último espectáculo desta Agenda reflecte a vocação inclusiva do Serviço Educativo da Casa da Música. Pelo povoamento do palco declara-se um trabalho vasto e profundo que envolve comunidades de diferentes contextos sociais, músicos e não músicos. São vários projectos que acabam por se encontrar num só, sempre em articulação com o Curso de Formação de Animadores Musicais.

    Expressão da diversidade de culturas e formas de vida que em permanência renova a malha urbana, Sonópolis bebe de muitas fontes. Agrega vários grupos convidados que, ao longo do ano lectivo, trabalham a sua identidade musical em programas comunitários e artísticos do Serviço Educativo. Com a fusão de caracteres fortes, surge em repertórios inéditos a cidade de toda a gente.

     


    Sessões
  • Ensaios Abertos

    Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música

     

    Antes do próximo concerto, abrem-se as portas para quem desejar assistir ao último ensaio geral. Com a execução irrepreensível que lhe é conhecida, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música partilha a primeira parte do programa que está a preparar com grupos de escolas a partir do 1.º ciclo do Ensino Básico ou de outras instituições e público em geral. Suavemente, entra-se no ambiente de trabalho de músicos de excelência para se usufruir de uma audição ainda despida de formalidades, mas sempre de inegável qualidade.

    2017

    Set 08, 15

    Out 20, 27

    Nov 10, 24

    Dez 15, 22

     

    2018

    Jan 05, 12, 19

    Fev 02

    Mar 02, 16, 23

    Abr 13, 20

    Mai 18, 25

    Jun 08, 15

    Jul 06

     

    Sextas 10:00

    Entrada Livre

    Admissão de grupos mediante inscrição prévia através de seducativo@casadamusica.com

    Lotação limitada

     

  • Yam Sessions

     

     

    Durante três dias, a Casa acolhe um encontro internacional de profissionais criativos que trabalham na formação de jovens públicos. Músicos, educadores, programadores, produtores, agentes e organizadores de espectáculos, vindos de todo o mundo, reúnem-se para celebrar e debater realidades que os aproximam.

    Parte integrante do Young Audiences Music (YAM) – um programa da ONG JMInternational que visa proporcionar a crianças e jovens boas experiências de música ao vivo, pugnando pelo aumento da qualidade e quantidade de concertos destinados a este público – as YAMsessions decorrem anualmente e sempre num país distinto.

    Showcases por artistas de vários países, o Fórum de Produtores, apresentações inspiradoras e debates que agitam o pensamento são as propostas de um evento que em cada edição atribui os YAMawards, prémios instituídos para reconhecer as melhores produções.

     

    04 a 06 de Setembro, Vários Espaços

    Mais info em www.yamsession.org