Projectos

Juntando-os, observando o que envolvem e o seu alcance, são o princípio, o meio ou o fim, senão os três, de grande parte do trabalho realizado pelo Serviço Educativo da Casa da Música. Consistentes na proposta que defendem, seja ela de base artística, educativa, comunitária ou social, existem em permanência e percorrem toda esta agenda. Em modelos de espectáculo, oficinas e acções de formação, por tudo o que propomos ao longo do ano lectivo, há esta malha de projectos a imprimir ritmo e movimento, a criar ou complementar iniciativas. Existindo em autonomia, aceitam o encontro. Apresentam distintos discursos musicais, validam a investigação, inovam com fundamentos pedagógicos e artísticos. Vão ao encontro de diferentes públicos e, no conjunto, abraçam toda a plateia. Mais do que isso, podem chamar o público ao papel de performer e realizador musical. Todos, no conjunto, indicam uma intervenção que bebe de muitas raízes e se multiplica por muitos lados.

  • Coro Infantil Casa da Música

    Raquel Couto maestrina titular

    Joaquim Branco formação musical

    Joana Castro técnica vocal

    Dalila Teixeira e Gonçalo Vasquez pianistas acompanhadores

     

    Crianças a frequentar o 1º ciclo do Ensino Básico fazem o corpo do mais recente grupo residente da Casa da Música, um projecto artístico à altura de repertórios exigentes.

    A estreia aconteceu em 1 de Outubro de 2017, Dia Mundial da Música, com a formação a acompanhar a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, o Coro Nacional de Espanha e o Coro Lira na peça War Requiem, de Benjamin Britten. Sozinha, teve no espectáculo de Natal do Serviço Educativo e no concerto no dia de São João, na Sala Suggia, provas superadas.

    A colaboração com os outros grupos residentes da Casa é um compromisso reiterado nesta Agenda, sendo de destacar a Missa em Si menor de Bach, pela Orquestra Barroca Casa da Música e Coro Casa da Música.

    À qualidade artística juntam-se valores sociais e educativos. O projecto é a expressão de um trabalho continuado em três escolas básicas do Grande Porto, envolvendo centenas de crianças. Cinquenta compõem o Coro Infantil. São pequenos cantores de grande talento.


    Sessões
  • Coro Infantil Escolas

    António Miguel Teixeira, Duarte Cardoso, Gonçalo Vasquez, Ivo Brandão, Joana Castro e Raquel Couto direcção musical

    E afinal em vez de um, são quatro os coros infantis, independentes e associados. A explicação faz-nos recuar dois anos, quando nas EB1 de Quatro Caminhos (Matosinhos), Lomba (Porto) e Quinta das Chãs (Vila Nova de Gaia) iniciámos um processo de formação coral que catalisou o entusiasmo das comunidades educativas alargadas: crianças, professores, famílias e vizinhos disseram sim a uma ideia que desde então não parou de evoluir.

    Exploração de repertórios e composição colectiva, mas também promoção do sucesso curricular e da coesão social, são vertentes do projecto enraizado já nas três escolas, reunindo alunos de vários contextos socioeconómicos.

    Chega-se assim a três coros escolares, cada com o seu registo e programa de trabalho, de onde saem as vozes do Coro Infantil Casa da Música. De vez em quando, todos se encontram no palco. Quando isso acontece, são cerca de 350 as crianças a cantar.


    Sessões
  • Orquestra Som da Rua

    Daniel Sousa, Jorge Prendas, Miguel Ramos, Paulo Coelho de

    Castro e Tiago Oliveira direcção artística

    Utentes da Liga para a Inclusão Social interpretação

     

    São dez anos a mostrar que é possível. Iniciado em 2009, em parceria com instituições de intervenção social do Porto, este é um projecto em que a música reclama oportunidades, considerado pela sua dimensão humana e valor artístico. Case-study nacional, a Orquestra Som da Rua é formada por cidadãos com experiências de perda e desamparo, que em ensaios regulares conduzidos por formadores do Serviço Educativo debelam as dificuldades diárias. É por isso uma história feliz, honesta, de resistência, insistente esperança.

    Alegria de encontro e desejo de comunicar com o público fazem parte da identidade desta formação aberta, sempre receptiva a novos elementos, que vai somando repertórios próprios. São temas compostos de forma colaborativa, por homens e mulheres que cantam a sua vida e a cidade, ou oferecidos por conhecidos compositores. Em cada espectáculo, e somam-se já largas dezenas, o grupo existe nesta certeza: the show must go on.

  • Ensemble de Gamelão Casa da Música

    Jorge Queijo e Maria Mónica direcção musical

     

    Alarga-se o repertório para o gamelão com 12 músicos que introduzem na paisagem tímbrica do Oriente composições rítmicas contemporâneas. A liberdade artística resguarda‑se no conhecimento profundo deste colectivo de percussões, elemento milenar de rituais de culto e de comunidade na Indonésia. Após a chegada do gamelão javanês à Casa da Música, formadores do Serviço Educativo fizeram a viagem inversa. Na ilha de Java investigaram exaustivamente o universo desta orquestra de sons exóticos. Fruto desse trabalho, em 2013 fundou-se o ensemble, que sobre um extraordinário legado cria música improvisada e de fusão, com influências de rock e jazz.

    Com um álbum editado, o grupo é presença assídua em projectos artísticos, comunitários e educativos. Em performances, acentua o magnetismo de um ambiente sonoro de complexa simplicidade.

  • Orquestra de Guitarras e Baixos Eléctricos

    Maria Mónica e Pedro Cardoso (Peixe) direcção musical

     

    Aos primeiros acordes o som ganha presença física. Valores de intensidade e potência sonoras serão as características mais fáceis de atribuir a esta orquestra, formada por uma vintena de guitarras e baixos eléctricos, mais duas baterias. Há, no entanto, uma qualidade superior: o entendimento que une tantos músicos, regidos por uma direcção improvisada que não obedece a qualquer partitura.

    Surgida em 2009 no âmbito do projecto Sonópolis, a OGBE gosta sobretudo de estar no palco. É ao vivo que evolui com gozo absoluto e fora do mainstream. Valendo-se de códigos próprios e intuitivos, recria em cada performance repertórios que passeiam entre o género experimental e o rock, sem cartilhas de estilo.

  • Orquestra Energia Fundação EDP

    Projecto de inclusão social através da música, a orquestra infanto-juvenil criada pela Fundação EDP, em 2010, reúne alunos de escolas de Amarante, Mirandela e Murça. Em cada ano lectivo, através de um programa pautado pela qualidade artística, promove o sucesso escolar de crianças e jovens, o envolvimento activo das famílias e o fortalecimento da identidade comunitária.

    Em 2015 a Casa da Música assumiu a direcção artística e pedagógica da formação. Ao abrigo desta cooperação institucional, compositores que colaboram regularmente connosco dão novos repertórios a um projecto feito de futuro.


    Sessões
  • Orelhudo!

    A música é o compêndio do 1º ciclo do Ensino Básico quando se acede ao Orelhudo!, o software original do Serviço Educativo da Casa da Música que propõe uma audição diária de 90 segundos. A partir do que se escuta, abre-se uma página do conhecimento na sala de aula, mas também em qualquer lugar, de forma gratuita e via online, com versão pública disponível em orelhudo. casadamusica.com ou numa versão optimizada para smartphone ou tablet. O que nasceu para as escolas chega assim a utilizadores de todas as idades – e vale a pena explorar.

    O programa vai ao encontro dos vários conteúdos curriculares e estende-se por domínios mais vastos da cultura geral, abrangendo todos os estilos e géneros musicais. Diariamente dá a ouvir um tema, acompanhando-o com conteúdos escritos. Este momento Orelhudo! encerra sempre com uma pergunta, o que na escola abre espaço ao debate, à reflexão e a trabalhos de turma. E porque é música, aos primeiros acordes conta-se com a atenção dos alunos.

    Adoptado por um crescente número de escolas, no país e no estrangeiro, o programa tem duas versões exclusivas, uma a utilizar na sala de aula e outra destinada aos professores, que apresenta sugestões de actividades e permite navegar por todo o calendário, para trás e para a frente. Esta é, aliás, uma das “idiossincrasias orelhudas”: crianças e público podem ouvir tudo o que foi proposto em dias passados até ao presente; por amanhã é preciso esperar.

    Visite-nos em orelhudo.casadamusica.com

    Mais info e sugestões orelhudo@casadamusica.com


    Sessões
  • Dia Mundial da Música

    Porque para nós é um dia maior, ficar em Casa não chega. Todos os anos celebramos a data com um programa inédito, em edição única, quase sempre aberto a itinerâncias pela cidade. Pode abranger formações e músicos profissionais ou alunos de escolas vocacionais, sendo que o registo é sempre de envolvimento com o público.

    Em 2018 a música volta a sair à rua e a andar por muitos lados, prometendo surpreender quer pela escolha de repertórios quer pela carga performativa de quem os interpreta. Em celebração descarada, convida todos os cidadãos para um concerto ao final do dia. Se a (ou)vir, acompanhe-a.


    Sessões
  • Dia da Criança

    As efemérides não existem para decorar o calendário. Porque esta é uma data a exigir grande responsabilidade, remetendo para aquele que será sempre o nosso primeiro público, fazemos questão de a assinalar com espectáculos inéditos, de preferência produções próprias que à festa chamam propósitos artísticos, educativos e sociais.

    Em 2019 celebramos o Dia da Criança com nova proposta nascida no âmbito de uma acção de formação para professores do ensino regular. Multidisciplinaridade e criatividade são notas do espectáculo original que, com os educadores em palco, atravessa o Atlântico para revisitar a História e estórias do Oeste. Sob um registo musical contemporâneo, por quadros teatralizados bem-humorados, o processo de aculturação acontece subtilmente.


    Sessões
  • Ao Alcance de Todos

    A integração é um acto contínuo. Sem dias para acontecer, é o princípio da Música e a pedra angular de ambientes sociais saudáveis, onde se valoriza cada elemento. Para nós é uma inevitabilidade: integramos TODOS os cidadãos porque não existimos de outro modo. Sob esta visão, reeditamos anualmente um programa que, se estendendo pelo calendário, agrupa uma série de projectos artísticos e de alcance social, votados à criação de oportunidades para pessoas e comunidades com acesso restrito a experiências musicais positivas, efectivamente gratificantes.

    Mitigar obstáculos e derrubar preconceitos, mas sobretudo regenerar a estima pessoal e de comunidades muitas vezes marginalizadas, dando azo a boas manifestações performativas, são razões para intervenções prolongadas, comummente multidisciplinares, que mostram poder de expressão. Esta faceta última torna-se visível, pelo início da Primavera, num festival aberto de oficinas e espectáculos. Com ele desejamos aproximar públicos e, construtivamente, reclamar contra a indiferença e a exclusão. Aos dois propósitos respondem, na edição 2019, Paluí, Está Aqui?, Ubu Rei e Multi, novas produções co-criadas com grupos que se tornam habitantes legítimos do palco.


    Sessões
  • Sonópolis

    Assinatura final de cada ano lectivo, Sonópolis traduz a diversidade de processos artísticos, educativos e comunitários que sempre nos propomos a desenvolver. Enquanto projecto de fusão preparado ao longo de meses, em articulação com o Curso de Formação de Animadores Musicais, tem por base dinâmicas de trabalho independentes, mas dispostas ao cruzamento, que envolvem grupos de diferentes realidades sociais e backgrounds culturais.

    Exemplo do trabalho colaborativo, integrador, Sonópolis torna-se, pois, no abençoado território de convivência de correntes artísticas, linguagens musicais e, sobretudo, modos de vida. Tudo se consubstancia em Julho num palco cheio de gente, no último e mais ecléctico espectáculo desta agenda, porque criado com o ADN da cidade, bem entendida como geografia da coexistência, grandiosa por ser plural.


    Sessões
x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE