Error loading MacroEngine script (file: artista-header.cshtml)
  • Dono de “desenvoltura cénica e vocal” e de uma “voz maleável e bem posicionada”, Tiago Matos afirma-se como um “sólido barítono”, diz a crítica. Chegou à Ópera Nacional de Paris em 2012, pelo Atelier Lyrique, onde protagonizou Don Giovanni de Mozart. A estreia no elenco principal aconteceu dois anos depois com Fiorello, em Il Barbiere di Siviglia de Rossini. Seguiram-se Un Chevalier, em Le Roi Arthus de Chausson, e Il Marchese d’Obigny, em La Traviata. Também em Verdi, foi Un Députée Flamand, em Don Carlos, além de Il Conte di Ceprano, em Rigoletto. A interpretação mais recente com a Académieda l’OnP — Frank, em Die Fiedermaus de J. Strauss — valeu-lhe os maiores elogios. Entre outras interpretações, destaque para Le Dancaïre e Moralès, em Carmen de Bizet; Mercutio, em Roméo et Juliette de Gounod; L’Horloge Comtoise e Le Chat, em L’Enfant et les Sortilèges de Ravel; e, novamente, o papel principal em Don Giovanni, no Estates Theatre (Praga).

    Tiago Matos foi vencedor do primeiro prémio no VI Concurso de Canto da Fundação Rotária Portuguesa. Em concerto, actuou com a Orquestra Gulbenkian em “Composing for Voices with Luís Tinoco”, e foi solista em obras como Lieder Eines fahrenden Gesellen de Mahler, 9.ª Sinfonia de Beethoven e Requiem de Fauré.

    Licenciado em Música pela Universidade de Aveiro, Tiago Matos teve entre os seus principais professores Isabel Alcobia e António Chagas Rosa, além de Sherrill Milnes e Maria Zouves, com quem se cruzou na VOICExperience Foundation, nos Estados Unidos. Actualmente aperfeiçoa-se com Michelle Wegwart.

    Fundou a Plateia Protagonista, uma associação cultural e educacional centrada na promoção da ópera e da música clássica, que, entre outros projectos, criou o “Ópera Connosco Marvila!”, destinado a jovens de bairros desfavorecidos de Lisboa, e onde, em 2021, Tiago Matos interpretará o sargento Belcore, em L’Elisir d’Amore de Donizetti.

    Depois da participação no Operafest (Lisboa), em 2020, onde estreou óperas de jovens compositores portugueses, Tiago Matos tem à sua espera as personagens Duque e Enforcado, em Trilogia das Barcas de Joly Braga Santos, no Teatro Nacional de São Carlos. Espera-se ainda a participação no Festival Informal de Ópera de Braga, um concerto em torno de Bach e Händel com a Orquestra Barroca Casa da Música dirigida por Laurence Cummings, e será ainda solista no Requiem de Mozart com a Orquestra Clássica do Centro. Também este ano, dará um recital com o trio À la Joie! no Festival Internacional de Música de Marvão.

     

     

     


    2021

x
A Fundação Casa da Música usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras. Para obter mais informações ou alterar as suas preferências, prima o botão "Política de Privacidade" abaixo.

Para obter mais informações sobre cookies e o processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade e Cookies.
A qualquer altura pode alterar as suas definições de cookies através do link na parte inferior da página.

ACEITAR COOKIES POLÍTICA DE PRIVACIDADE